Nêsgas

Recuso generalizar
Tem gente boa e má em todo canto
Triste é quando os do bem são suplantados pelos do mal
Pra que empresário?
Sou pela autogestão cooperativada dos meios de produção
Meu avô paterno era chefe eletricista operário na mina de Morro Velho em Nova Lima
Meu avô materno era almoxarife na Central do Brasil e gostava muito de cinema
Não tem que dizer sim tem que dizer não
Faço o que todo mundo faz
Reclamo e esperneio em vão
O impostor imposta
Que graça tem sua vitória se você sabe que foi fraude
A solução não é repressão a mais
E agora com vocês o súcialismo
Eles gostam é da privada
Todos somos como as plantas veias raízes
Tropa é coletivo do que mesmo?
E o lilás?
O problema dos mais jovens é que não nos prestam reverência
O poder engana as gentes
Quem se acha de esquerda precisa é tirar o velho de lá depois se vê o resto
Mudanças mudanças
Nem é preciso tanta mudança
Basta fazer render melhor o que já é
Quero acreditar na evolução da espécie
Infelizmente não é pra todos
Primeiro há que sobreviver
E sobrevivem os mais fortes
Ou os mais adaptados
Pra que serve o pensamento
É privilégio do humano?
É para domar a natureza?
É para ordenar o instinto?
Todo ser humano pensa
Em prol de sua própria sobrevivência
Não se pode pensar pelos outros
Mas não se pode sobreviver sozinho
Na corrida pela vida uns acabam atropelando os outros
Fazer o quê?
Não matarás

Comments are closed.