Pensandos

A plateia brasileira adestrada pelos gringos curte a crueldade e a violência
Pra quem assiste é diversão pra quem faz é trabalho
Casualmente descobri um novo gênero: o auto-documentário
O documentarista que documenta a si mesmo
Filmes que não chegam às salas de cinema deviam postar-se na rede
A PM negra não pode chacinar seus irmãos de côr e classe sob o mando de uma elite branca e fascista
Arderá em suas próprias chamas
Os evangélicos não são o problema são os dizimistas
A liberdade não é racista não é sexista não é fascista é a liberdade
Os ricos não cansam de explorar os pobres e nem é pelo dinheiro jamais conseguiriam gastar o que acumulam é puro sadismo mesmo
Que a direita se divida e a esquerda se unifique
Se juntar dá certo se não não
Babacurral um óvni pilotado não se sabe quem e nem da onde
O problema da invasão audiovisual imperialista é que é um arsenal de sons e imagens despejado atirando para todos os lados
Seduz com a violência seduz com a sedução a plateia abduzida
O imperialismo é melífluo
Religião e política são incompatíveis
A religião cuida do além a política do aquém
A vida social reprimida gera confusos problemas
A arte não tem a ver com o consumo
Não se perca no universo concentra no local
Para quê em tempos alguns?
Para quê em tempos nenhuns?
O bom da vida é escutar os outros
O Brasil não precisa de nóbeis da Noruega que polui nascentes no Amazonas
Legaliza ou essa guerra nunca acaba nos isteites virou fonte de renda e emprego
Com o sol que nós temos não sei pra quê energia fóssil
Todo mundo quer ser estrela na tevê
Driblando a sorte driblando a fortuna
A Europa hoje próspera às custas do inacreditável massacre nas Américas e em África
Ao invés de negociar bens e trocas vieram devastando tudo gentes e terras
Os invasores nem eram numericamente tantos
Mas conseguiram destruir povos e civilizações
Dada a presença estrangeira os nativos provavelmente sequer entendiam o que eram os forasteiros que ainda como agora chegavam atirando e botando fogo em tudo
Eram bêstas feras com vontade de matar a seu favor armas de fogo e cavalos
De um e outro lado da Cordilheira a coluna dorsal de Sulamérica impediu-se a evolução dos povos autóctones
Ainda hoje é o que se vê
Forasteiros não podem ter poder sobre as terras nativas eles tem as nativas deles lá de onde vieram
A questão é de autoctonia o que seriam hoje essas civilizações autóctones?
Os nativos e só eles tem direito a suas terras nativas e é possível o convívio pacífico desde que uns não queiram dominar os outros

Comments are closed.