Vanglórias

O que precisa é excluir a ilicitude no poder
Convidar pra vice é genial
Que estômago tem esses militares para engolir um tenente banido como comandante em chefe das forças armadas
O militar é um defensor da pátria contra um invasor estrangeiro
Não é para usar a arma por nós socialmente concedida contra os nativos
A sociedade reconhece-lhe o monopólio das armas
Para defende-la no todo ou em parte e não para ataca-la
A rigor ninguém mais pode ter armas a não ser o estado
Por isso mesmo não lhe é dado sair atirando a êsmo
Onde houver um tiro há a mão ativa ou passiva do estado
Há como fazer outramente?
E os bandidos armados faz como?
Quem mandou dar golpe?
Fraudar a fraidei
Se voltar não pode ser igual
A serviço dos ricos soldados pobres matam pobres
Ninguém merece ganhar mais que uma vida
O mal é que as pessoas de bem rejeitam a política
Nascemos no passado vivemos no presente morremos no futuro
Para desiludir-se é preciso iludir-se
Aqui não se fala português aqui se fala brasilianês
Já sabemos do caos instalado no país
Só não descobrimos ainda como nos livrar dele
Para haver corrupção é preciso o enriquecimento ilícito
Em havendo o enriquecimento ilícito há corrupção
Talvez como em 68 os povos rebelam-se contra os governos
Como em 68 os governos reagem com violentas repressões
Mais à frente os povos retomam seu crescimento
Ninguém se opõe à ação do estado
Protesta-se contra governos
É soldado porque vive soldado à sua arma?
Ou porque vive de seu sôldo?
E não vivemos todos de soldos?
Mas não estamos às armas soldados somos civis
O povo civil e trabalhador é maioria
Por que vivemos atrelados à minoria burguesa?
Não é jargão é realidade
E aí entregam a todos à barbárie
E agora chegamos de fato ao condomínio do fato
Fatal

Comments are closed.