Marmotas

Conta um conto e aumenta um ponto
Nos aproximamos do real ou o real se aproxima de nós
Pedidos de esmola nas esquinas
Atender
Recusar
Melhor é que não haja
Todos deviam ter moradia alimentação e saúde
É o papel do estado que representa a sociedade no atendimento de suas necessidades
O que é perfeitamente possível
O que não for para todos não pode ser para nem um
Chega um tempo na vida em que se perde o senso de oportunidade
Se é que jamais o houve
Essas fardas safardanas
A maioria dos empregos são na verdade subempregos
Exclui-se o conceito de trabalho
Pelo de emprego e portanto de subemprego
O trabalho dignifica o homem o emprego não
E o povo que não encontra trabalho inventa o seu
Nem que seja catar latinhas na rua
Se a sociedade não se organiza para garantir o trabalho de todos
Se as municipais não mudarem o rumo dessa prosa a vaca nunca sairá do brejo
Só um pedacim
Só no sapatim
Nem precisa o jornal aterrorizar a população ela já vive aterrorizada
Se fizer papel de gato o cão destrói você
Uma porta que se abre não impede que a próxima se feche
O fantasma em mim não quer saber de fantasmas dos outros
O cinema são todos os filmes do mundo
O que é coisa difícil de se imaginar
Ah se eu não sim
Resolvo os problemas da casa
Não resolvo os problemas da vida
Hoje não é ontem
O movimento dessacralizou a pintura
O som dessacralizou o silencio
A cor dessacralizou o branco
O digital dessacralizou o analógico
A forma dessacralizou o conteúdo
A morte dessacralizou a vida
A vida dessacralizou a morte

Comments are closed.