Archive for the ‘Sem categoria’ Category

Rasgos

quarta-feira, julho 22nd, 2015

Nada que uma panela cheia não resolva
Dedicar-lhe mais é melhor que dedicar-lhe menos
Não me viro não me mexo o que vier eu faço
Parece mas não sei se quero
O dia mal começou vamos ver como começa
Às vezes sim às vezes não talvez
Tal vez lembra coisas inesquecíveis
O dia em que atravessei o Rio na minha contrapedal
O tempo em que se dormia nos terraços
Aceita enquanto quente
Fazer o que sempre se faz
E há o terceiro olho
Atrás de um sorriso geralmente vem um troco
Quem quer um troco pra se fazer de toco
Eu só deixei ligado
A curva se for completa te deixa onde estavas
Ele sabe que você é minha?
E você sabe?
Quem mais quiser acertar vai ter que conformar-se ao errar
O que não é possível não se faz
Apenas um não aguenta mais de uma
Não me diga o que não quero ouvir
Quantas contas se deve pagar
Até quando se deve engolir
O trabalhador não vende sua força de trabalho ele é roubado
Tem as que dão mas empurram você pra trás
Traduzindo o Corcovado: coração aonde vou?
De delação em delação não se ganha eleição olha o município aí gente
E pra quem quiser há de ser como sou
Não sou assado não sou assim
Sou como sou indiferente ao que pensem ou queiram de mim
E quanto menos melhor
Não tenho mais tempo a não ser divagar devagar
Vem assim meu bem faz assim meu bem
As gerações tendem a se opor
Melhor do que estar a perigo
Não me criem problemas sem solução
Fiquei mais caprichoso não me enfio em qualquer buraco
Não se aborreçam comigo eu passo a vida estonteado
Não penso o que vejo o que vejo eu vejo.

Troças

quarta-feira, julho 15th, 2015

A alma do capitalismo não é executar a dívida é cobrar juros
Espalhem-se mas não se percam
Não queiram nos opor achando que alguém é melhor
Mete de dentro que eu meto de fora
Não basta comer tem que gostar
De você guardo pedaços e já tá muito bom
Como é bom ver uma menina linda ao longo do seu dia
Queres ser minha ama ou que eu seja teu amo
Se não curtes o que o teu país faz teu país não irá curtir o que fazes
Desfoca o federal e bota zoom no município
Avança frente de esquerda e garante em 16 os municípios
É só no ato
Não sou o que digo que sou
Digo o que acho que sou
Se não começar não começa
Não há como fazer o de agora antes
Às vezes digo que vou mas não vou
Carrego na bagagem uns trinta filmes e algumas centenas de páginas escritas
Não padeças pois não me compadeço
Se eu quisesse mas não ia ser por menos
Jurista é quem saca de juros
Se for longe não se escuta
Primeiro te cuida e diminui a taxa de emoção
Se a coisa se resolver o melhor é descansar
E se não é ainda melhor
Quero um alguém que sempre diga sim e nunca diga não
Respeito a tua alma de formiga mas eu tenho alma de cigarra
Eu não me sinto mais mas não me sinto menos
Mesmo sem você eu sou feliz
Não acredito que a tua é a real
Viva a meus joelhos
Mesmo sem o governo cumprir a lei o curta vem chegando
Não preciso de licença pra pensar
Se insistir acho que rola
A questão não é o que cada um faz
Mas se queremos ficar um com o outro
Abalroado pela intrépida paixão e de onde isso veio
Mais palavras não resolvem o drama
A minha vontade baila
O meu pé escorrega

Festas

terça-feira, julho 7th, 2015

Houve a tentação de beijar
Considere-se beijada
Valeu
Uma rapidinha não vai?
Não sei e se soubesse não faria
Tudo é estrada
É melhor com paixão que compaixão
É pegando o jeito
Há que exercitar
É vantagem é vantagem ter a gata alimentada
A gata é boa a gata é boa
Nós somos os transgressores
Que maravilha a minha vida não fosse o que nos atrapalha
Você me cansa fisicamente e me cansa espiritualmente
Conjugo o verbo te ter
Esqueci a frase
Me deixa nervoso
O povo brasileiro pagou-me para ensinar não para aprender
A minha adesão é um sinal para que vá em frente
Mando queimar e mastigo o galeto até os ossos
Como eu  me sinto bem em casa
Sou contra trabalhar pros outros
Os temperamentos não se ajustam
Vivo em um tempo que é o tempo em que vivo
Enquanto a cultura se requinta o povo padece
Você perde o seu eu aproveito o meu
Não cumpro ordens
Tantas vezes não sei o que está acontecendo
Preciso buscar o que não tenho
Não me abato com o que se abate em mim
Queres a submissão que não tenho
Lindinha e docemente tirânica
O teu amar é espasmódico o meu gostar é constante
A televisão devia se restringir a fazer novela porque seus noticiosos são piores que qualquer enredo
Gosto de ver minha casa funcionando
E tu é o quê são?
Eu sou um clássico nativo não sou um pós-muderno
Não sou uma extensão da tua vontade
Não sou uma sombra em teu caminho
A mulher interessante tem que ter um espaço em que caiba uma mão.

Iptus

terça-feira, junho 30th, 2015

Recebo uma intimação para depositar em cinco dias num fim de mês a soma de cinco mil dinheiros referente a iptus de 2011 e 2012 atrasados

Impossível

Houve de fato um descompasso nosso nesse pagamento são tantos e desde então venho quitando a todo o mês a cobrança parcelada que me mandam por correio

Terei que conferir os recibos pagos nem sei porque os guardei o de renda declaro e recebo sem papel em todo caso os venho pagando

Posso ter me confundido são tantos não sei porque essa ameaça inopinada de cobrança instantânea

O capital não dá prazos e cobra juros por isso?

Por conta de um atraso de cinco mil querem confiscar um apê de pra mais de milhão que é um bem de família comprado por meu pai na planta nos anos 50 financiado pela Caixa?

Sou um intelectual pós-marxista não sou um insurreto mas também não sou nababo

Reconheço o papel do estado acato a cobrança de taxas e impostos sem pestanejar mas uma execução sumária parece-me injusto

Faço como? Mais empréstimos? Girar as dívidas? Não faço outra coisa desde os vinte anos há cinquenta verei como me virar

E professor universitário agora aposentado que se considera bem pago enquanto houver um salário mínimo sem haver um salário máximo ou o melhor um salário médio universal

Acho que uma jornada de trabalho universal e um salário universal resolveriam todos os problemas da humanidade

Ao mesmo tempo li que o Exército desalojou na marra moradores tradicionais do lugar por força de um desses mandados judiciais espúrios

Os militares são os defensores de nossas vidas

Não podem ser os proprietários privados de suas casernas

Não podem se apoderar do território nacional sob sua guarda

E não podem sobretudo atentar contra a vida dos que estão obrigados a defender

E o Judiciário não pode de novo ser mais um carrasco da nação

Tem que garantir os direitos dos povos previamente a interesses em jogo

Também tem que ser um defensor de nossas vidas

Sinto-me prisioneiro numa conspiração do estado.

Bonversos

quarta-feira, junho 24th, 2015
Eu sou hedonista o mundo que se vire
O dia em que eu fizer meu frango pra você comer você vai entender o que é tesão
Pensei em você fiz um frango e deixei queimar
Não jogo fora o que ainda como
Voto não se despreza voto se valoriza
Não digo o que dizes digo o que digo
Faz tudo pra mim como eu faço pra você?
Gosto do teu corpo é sólido como um trator
Coitado de mim entregue à fantasia e ela diz que ama
Tratemo-nos como iguais
Não se deve querer o que os outros têm
A vida nos dá mais do que podemos tirar
O sucesso de poucos esconde a miséria de muitos
Para entender basta querer
A qualquer coisa que se fale você dispara um tiro de canhão
Eu tenho que pensar vários assuntos e tenho que ser honesto em todos eles
Vagões soltos em diferentes trilhos
Precisa libertar o trabalho da opressão
Lamento quem não briga por seu mercado de trabalho
Não sinto a tua falta porque tenho a tua pulseira no meu braço
Não queira mais do que lhe posso dar
Pra que dizer o óbvio
Bota o teu atrevimento na tua vida pra ver se melhora
Estar bem independe com quem
Não queiram me alugar a manutenção não compensa
O senhor quer que acenda a luz não eu prefiro sem luz obrigado
A busca dispensa o acerto
Lânguida ou estouvada tanto faz
Se menos é mais é mais mais ou menos
O capital vem depois do trabalho
O lucro é iníquo
O burocrata é inepto
O poder oprime
A sociedade é ignara
O político é esperto
O salário avilta
A água suja é nossa
A água limpa é deles
A confusão é tamanha
Os povos resistem

Malversos

quarta-feira, junho 24th, 2015

Eu queria pegar uma frutinha como você e só mastigar
Não adianta xingar o adversário é preciso vencê-lo
Se não fosse boa tava nem aí
Nas equações em que vivemos você mulher eu homem o que se há de esperar
Tomei um sorvete tremendo barato mora
Homens e mulheres querem a mesma coisa nem sempre uns com os outros
Se disser que é brava aí mesmo é que embravece
Não se pede a um poeta que abandone a lira ele não vai atender
Mulher é uma coisa da ordem do insuportável
Estamos todos indo uns avisam outros não
Prefiro você com a tua boca tapada pela minha
Se você achar alguém mais interessante boa viagem
Você não me acalma me deixa aflito
Não me enlouqueça por pouco
Nem a dos outros
Não faço juras de amor prefiro vivê-lo
Não se entende o que não se conhece
Não se conhece o que não se vive
Viver é deixar viver
Quando não quiser avisa
O esquisito sou eu
Ela sapeca ele tranquilo
Comi bebi e posso até me lembrar de você
Não insista desista
Se é capacho é pra pisar em cima
Do jeito que você me deu ainda vai me dar muito tempo
Para o seu próprio bem
Todos dirão maravilha eu direi porcaria
Quando a gata vai dormir o gato se espalha
Todo mundo no barato da mídia então tá
Mais pareço um peixe agarrado no oceano
Quando um não quer dois não ficam
A coisa errada no lugar errado só pode dar errado
A vida é muito rápida para não ser vivida
Burro quando vê cenoura fica esperto
Não se vai dizer de mim que fui omisso
Mais pra mais que pra menos
A humanidade precisa sempre corrigir seu rumo
Você sabia que o teu rabo balança que nem o de um cavalo
Tem uma coisa entre nós que nunca vai dar certo

Mexidas

terça-feira, junho 9th, 2015

Sempre quero o que sempre quis
O meu barato é encurtar a metragem
Tudo que é velho é bom
O capitalismo não conhece o critério de qualidade o único que conhece é o de quantidade
Nada é melhor do que cada um quer
Tu ama qualquer um
Deu mole? Dê duro!
Quem persiste não desiste
Não bate em nós bate panela
Quando morrer quero ser cremado
Se sobrar faz outro
Não dá pra entupir filme
Temos tantos de nós e não vencemos batalhas
Demorei porque pensei que era tu a me dar essa cana
Um monte de menino metido só querendo um é-de-tal pra chamar de seu
Estouvada como és nada mal ter amante
Não acho que o problema do mundo é meu e nem que o meu é problema do mundo
Pode ser que eu queira ficar com você mas você não é nada fácil
A vida ocorre em ciclos
Um se fecha e outro se abre
Não quero domar meus sentimentos sofra-os
O pior não é a coisa em si é ter acompanhado
Gosto de roubar as moças
Muita coisa acontece no país pena que os babacas no poder acham que é só eles
Quando olha pra mim desaba
A burguesia estimula a desordem no poder
Política não é pelada
Só quero que faça tudo para me agradar
Ninguém precisa se patrulhar é o que o mundo já faz
Há os que estão do lado de cá e há os que estão do lado de lá
Não adianta buscar fora o que é de dentro
As certezas mudam
Fico exultante com as descobertas
Meça os outros por si mesmo
Faça de mim o que quisermos
Comigo o que vale é o cara a cara
Não sou muito exigente só quero a alma
Como sempre empurra com a barriga bem
Aquele que o sol não doura
Que é para atrair a senhorinha ao lado

Xuxús

quarta-feira, junho 3rd, 2015

Nasci para servir e me servir
Ou me subestimas ou super
Eu nem assoviei e ela já está cá
Colonizado tem que ser relativo
O chato da posteridade é que tu morre antes
Acho o máximo ter uma gata como você agendada para amanhã
Hoje já estou bêbado e chapado não vou conseguir grande coisa
Não vou te dar o que eu mereço
Tenho uma namorada que não dá somos platônicos
Homem é que precisa fazer comida boa porque pra ele comida boa é ela
Nada me acontece de pior às vezes tem uns baratos doidos
Água e pasto não tem burro que não babe
Não vais escancarar a minha intimidade em publico
Você sabe muito bem a que me refiro
E quando você acha que a mulher é uma potência
Vi você falando aí desbundei
Desde que incendiaram Uruçumirim por mim pode botar fogo no resto
Nem você nem eu podemos passear nossa alegria em publico
O que não pode são as manhas do imperialismo para alienar a população
Não coma a maçã coma a serpente
Há dez anos não era mole não
Muito assunto é pouca solução
Quem vende ganha comissão quem compra paga
Ela é das pessoas mais próprias para tal assédio
Capricha no capricho
É indevido e impossível parar o país o que houver vamos em frente
Já viveste o bastante para saber o que é isso
A cultura não precisa de ministério basta uma carteira de fomento na Caixa
Por que responder-me se não me dás bola
Nem bem capitalistas e já chegamos à superprodução de automóveis e seus derivados por exemplo
Não sei como reverter de pronto esse regime predatório capitalista mas é bom pensar nisso
Mais uma genial criação: “mas podemos tirar se achar melhor”
Não levo nada só quem me leva é eu
Quando perder não perca por pouco
Eu procuro nem fazer barulho
Quero ver um filme que eu não tenha que pensar
Hoje é fácil amanhã é que são elas
O curta brasileiro é o antídoto para o veneno do longa imperialista que o segue
O que é comercial vive do mercado o que não é precisa vir a ser
Brigar pelo mercado

Deixas

quarta-feira, maio 27th, 2015

Não há remédio que me cure
Não me diga coisas em que tens razão
O único ministério necessário é o da educação para educar todo mundo a viver como todo mundo
O que eu quero é de graça
O único problema da humanidade é a desigualdade
Deixei vocês passarem deixaram-me passar agora o reencontro
Aos poucos a presidenta vai botando ordem no progresso
Achei que tu tava dando pista
A fórmula é secreta cara a cara a combinar
Você era cabeluda agora é pelo ralo
Prender é tara de fascista
Afinal descobre-se que o capital explora o trabalho
A primeira pode ser a última
A esquerda desunida em partidos que fingem que pensam o país
Se não se unir com tudo a favor a esquerda será a maior traidora da pátria
Dá pra mim e tudo fica bem
O presente subestima sua potência
Agora sim é uma corrente pra frente
Há mais de dez anos era impossível
Radical é o que é de raiz
O que vem vai
Eu não sou o sol e você não é a lua
Se não gostar eu cuspo o caroço
Tua sorte é que eu canso rápido
Você me dá o que eu quero e eu te dou o que tu queres
Nunca deixe que um homem pague a tua conta
Só se fôr pavê pra comê prefiro na mesa
Não vou passar o resto da minha vida discursando à beira mar
Hoje as calcinhas não escondem mais o frêmito das nádegas
Todo mundo entra e sai a qualquer hora
Só quem faz é que sabe a porfia das coisas
Dormindo a seu lado é que a mulher revela sua meninice
Somos todos convivas na festa da vida
Não há como tirar-me o meu centro nas coisas
Não se pode ser feliz magoando os outros
E se eu cometesse uma pequena infração
Palavras delicadas são difíceis de usar
Melhor amantes que amigos
Se ela não gostar vai ser pior pra ela

Ouriços

terça-feira, maio 19th, 2015

Este pode e deve ser o melhor país do mundo

Não posso me metidar porque eu surto

Doido pra rabiar

Não levo jeito pra salvador

Teu resmungo não me abala

Se vens na minha eu vou na tua

Conteúdos mandam nas formas

A vida são fases

Primeiro o desejo depois falas deixa próxima fico cansado

Se na próxima for mais aí fico ainda mais cansado

Se próxima não houver ao menos não terei ouvido falas

Na próxima serei mais eu e mais cansado ficarei

De olho fixo no que molejas

Será só nuvem ou será que é chuva

Ando fraco muito fraco mais um gole e lá vou eu

Não chuta que gruda no dedo

O voto é quem mais ordena

Eu queria ser vassoura pra varrer o teu quintal

Nas coxas também é bom

Se é reforma faz primeiro a agrária contra o latifúndio

Primeiro a primeira

Vou dizer que posso nada e aí vais ter que fazer tudo

Se mulher ameaçar sai de baixo

Escondido é melhor

Em matéria de boca sorriso é pouco pra mim

Qualquer primeiro não equivale a um sim

Antes olhava de rabo de olho agora olho de olho no rabo

Frutas legumes e mulheres mais maduras é melhor

Vencerá o capitalismo a sua próxima grande crise às custas de quem?

Ditadura só a do proletariado

Deixa quem foi eleita governar se não gostar em 18 vota na oposição

Nunca o país esteve melhor e nunca a população mais atenta

Todo mundo a favor do progresso do Brasil? Jóia! Então vamos em frente

A ditadura do capital todo mundo atura

Não se esqueçam de bater panela à vontade cada vez que o galo cantar três vezes

O que assistimos é apenas a perfídia do capital

Nunca antes na história deste país foi eleita e reeleita legitimamente ninguém é mais à esquerda que a presidenta

Só se anda de bicicleta sem medo de cair

Brasileiro tem mania de mudar o técnico se discorda da escalação

O amanhã não existe