Diretrizes de uma política pública para a Cultura Digital

Durante o 10º Festival Internacional Software Livre, acontecido em Porto Alegre (Junho de 2009) a equipe de articuladores da Ação Cultura Digital do Ministério da Cultura, reuniu-se para discutir as propostas para uma política pública de cultura digital para o país.

Os objetivos acordados entre os articuladores para esta política pública são os seguintes:

1. Fomentar redes e praticas transversais de produção e difusão cultural.
2. Evidenciar a rede nacional de pontos para que eles interajam entre si e garantam formação, mobilização e divulgação da própria rede de forma autônoma.
3. Atuar na forma como a sociedade vai incorporar os paradigmas revelados no momento de transição para uma sociedade da informação.
4. Incentivar a produção cultural e a dinamização de conhecimentos em rede.
5. Promover a apropriação de práticas e conceitos de Cultura Livre

As diretrizes de uma política pública para a Cultura Digital serão organizadas em quatro  eixos subsidiadores:

Cultura Digital e Desenvolvimento;
Cultura Digital e Sustentabilidade;
Cultura Digital e Aprendizado;
Cultura Digital, Articulação e Mobilização de Redes.

A propostas de eixos sistematiza uma cadeia de ações que por si só é o enunciado de uma política pública para a Cultura Digital no país: É necessário o desenvolvimento de metodologias e ferramentas para que o produtor cultural tenha sustentabilidade, o que, em conjunto com ações constantes de capacitação e aprendizado manterá a articulação em rede.

Seguindo esta lógica, ao revisar as minhas anotações e relatórios das atividades  desenvolvidas como articulador Regional Sul durante os últimos seis meses na Ação Cultura Digital do Ministério da Cultura, concluí que não poderia apenas propôr uma diretriz para o grupo  em que me envolvi inicialmente (o GT  de Cultura Digital, Articulação e Mobilização de Redes) sem desdobramentos nos outros eixos.

As diretrizes propostas a seguir não se limitam aos Pontos de Cultura e Unidades Casa Brasil, mas a todos os cidadãos brasileiros contemplados com os recursos públicos (seja FNC, prêmio, edital ou Lei de Incentivo) para executarem projetos culturais.  Denominarei estes atores como “Produtores Culturais” neste documento.

O Autor

Thiago Skárnio iniciou sua carreira no meio cultural e jornalístico como desenhista. Depois de produzir charges e ilustrações para publicações independentes e sindicais, passou a trabalhar também com fotografia, produção gráfica, audiovisual e multimídia digital.

Mantendo o foco na produção independente e na diversidade cultural, Skárnio passou a dedicar-se à produção de conteúdo e à sua difusão. Para isso vem participando de várias iniciativas editoriais como jornalista, editor e produtor de reportagens para TV, documentários e portais na Internet.

Atuando da concepção até a finalização de projetos sócio-culturais, Thiago Skárnio concluiu que além da produção e difusão, é necessário uma grande articulação do terceiro setor para o fomento de politicas públicas voltadas tanto para o acesso aos bens culturais quanto a democratização dos meios de comunicação.

Nos últimos anos Thiago vem participando das discussões e contribuições coletivas sobre temas como a TV Pública, a digitalização dos meios de comunicação, a flexibilização dos direitos autorais, o Software Livre e a implantação do Plano Nacional de Cultura em fóruns nacionais, organizações regionais, ambientes virtuais e movimentos locais.

Entre as iniciativas que Skárnio atua estão o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC, a Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária – ABRAÇO, os Pontos de Cultura, a ABCCOM – Associação Brasileira de Canais Comunitários, o Conselho Nacional de Cineclubes – CNC, a Cinemateca Catarinense (ABD-SC), a Rede de Integração Cultural de Santa Catarina, a Frente pela Cultura Catarinense e a TV Comunitária de Florianópolis, o Movimento Software Livre, o Projeto Casa Brasil e a Associação Cultural Alquimídia.

Atualmente Thiago Skárnio é articulador regional da Região Sul da “Ação Cultura Digital” do Ministério da Cultura.

http://skarnio.tv/

Mais um Blog

Este blog é um espaço de registro das minhas atividades na Ação Cultura Digital do Ministério da Cultura.

A Ação Cultura Digital surge dentro do Programa Cultura Viva para facilitar a apropriação de ferramentas multimídia em software livre pelos Pontos de Cultura para documentação de manifestações culturais locais, produção de sua própria mídia e construção da autonomia por meio da conexão entre o local e o global.

A Ação Cultura Digital, desenvolve um papel estratégico, que é de fomentar a produção colaborativa entre os Pontos, com o objetivo de formação de redes. Além de inserir, muitas vezes, uma nova forma de linguagem e apropriação de sentidos. A experimentação social dessas novas redes têm estimulado, por sua vez, outras ações efetivas de apropriação, autonomia, auto-gestão e protagonismo. E é esse processo que queremos compartilhar neste blog.

A atual equipe, com 21 bolsistas de pesquisa, sendo 16 Articuladores Regionais, 04 Articuladores Nacionais e 02 Coordenadores, trabalha com o objetivo de avaliar as formas de articulação dos Pontos de Cultura e Unidades Casa Brasil, seus envolvimentos com a Ação Cultura Digital e de que forma estes utilizam as tecnologias da informação e Comunicação.

Para tanto, a divisão das equipes de articuladores tem um caráter orgânico dentro da pesquisa. Enquanto os Articuladores Regionais fazem o trabalho diretamente com as instituições regionais (Representações Regionais, Secretarias de Estado, Pontos e Pontões de Cultura, Casas Brasil e outras entidades), gerando dados e compilando essas informações regionalmente por meio do roteiro de pesquisa , a equipe de Articuladores Nacionais faz a sistematização desse trabalho, orientando as equipes regionais, além de fazer uma interface entre as Coordenação do Projeto e as articulações locais.

Para que as equipes pudessem, ao máximo, cobrir todo o território nacional, durante o Primeiro Encontro de Bolsistas, ocorrido em Brasília entre 10 e 13 de março, realizou-se um georeferenciamento da Ação Cultura Digital indicando sua atuação em diversas regionais. Deve-se ressaltar que, com um contingente de 16 articuladores regionais para 27 estados do país, alguns estados não serão cobertos.

A região sul, conta com Paulo Sérgio Barbosa, conhecido como “PC“, situado em Porto Alegre/RS e Thiago Skárnio em Florianópolis. Os dois articuladores trabalharão conjuntamente em toda a região e atuam nos movimentos sociais e culturais como a democratização da comunicação, rádios comunitárias e o movimento quilombola.

 
Pular para a barra de ferramentas