Real Democracia: Não está na hora de trocar partidos por algoritmos?

Cada vez mais brasileiros estão empenhados em difundir ações mundiais de protesto contra ataques à liberdade de expressão e manifestações por reforma política visando a transparência e a participação direta dos cidadãos nos governos.

Sendo o Brasil um país onde muitos movimentos sociais sofrem uma grande influência de partidos políticos e as igrejas (estruturas pouco adeptas de princípios como a transparência e horizontalidade), será que estas mesmas ações ganhariam eco em território nacional?

Será que ações por uma “Real Democracia” no Brasil contariam com os mesmos ativistas que estão empolgados com as manifestações por reformas políticas na Espanha?

Qual será o percentual da sociedade brasileira que se sente representada por um partido político?

Assim como é crescente a insatisfação das populações em relação à democracia representativa, algumas propostas de democracia direta estão sendo testadas, ou melhor, experimentadas em algumas partes do globo.

O Demoex (Partido da Democracia Experimental) é uma destas iniciativas. O Demoex é uma experiência de democracia direta eletrônica na Suécia. O representante eleito vota de acordo com os resultados de consultas e debates online com a população.

O fato é que a tecnologia moderna permite novos arranjos organizacionais na sociedade. Mais sofisticados e complexos e ao mesmo tempo mais transparentes e dinâmicos. Sem atravessadores e mediadores.

Se no Brasil o cidadão pode declarar o Imposto de Renda pela rede mundial de computadores, por que este mesmo cidadão não pode votar no plano diretor da sua rua?

Para que estes novos arranjos sejam desenvolvidos plenamente é necessário universalizar a banda larga e instrumentalizar toda a sociedade para o uso da tecnologia. A consolidação da Cultura Digital é fundamental neste processo.

Não está na hora de trocar partidos por algoritmos?

Outra informações:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Democracia_líquida

http://pt.wikipedia.org/wiki/Inteligência_coletiva

http://pt.wikipedia.org/wiki/Governo_eletrônico

http://culturadigital.br/movimento/biblioteca/

Políticas de estimulo e fomento da Cultura Digital em #Floripa

Após promover uma “rodada de escuta dos setores” para fortalecer a política cultural na capital catarinense, o recém ativo Conselho Municipal de Política Cultural de Florianópolis realizou uma reunião expandida sobre o tema Cultura Digital.

Mesmo não tendo conselheiros específicos na área, o Conselho decidiu contemplar a Cultura Digital com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Florianópolis, pois compreende a importância de se estabelecer políticas públicas para o setor na cidade.

Eu e a produtora Christiane Ramirez colaboramos com a apresentação do tema e subsídios para o desenvolvimento de editais específicos para a área.

Minhas sugestões são as seguintes:

A. Digitalização de Acervos
A idéia é um Edital para a digitalização de obras artísticas de Florianópolis (livros, quadros, fotografias, gravuras, etc.) e a sua disponibilização na internet.

B. Prêmio de incentivo à Difusão Cultural
Como o próprio título se refere, se trata de um prêmio em dinheiro para sites, blogs e perfis em mídias sociais que divulguem atividades culturais e promovam o debate sobre o tema cultura em Florianópolis de forma voluntária.

C . Edital Instrumentalização para a Cultura Digital
Este Edital contempla a demanda cada vez maior por oficinas, palestras, debates e transmissões online sobre a Cultura Digital. O objetivo principal é a instrumentalização de produtores culturais sobre as tecnologias da comunicação e informação.

D. Edital de Manutenção de portais de Difusão Cultural
Este Prêmio (em dinheiro) seria voltado aos sites que divulguem as atividades culturais e promovam o debate sobre o tema cultura em Florianópolis de forma contínua e com existência de no mínimo 3 anos.

E. Edital de desenvolvimento de tecnologias para a Cultura
Edital de desenvolvimento de tecnologias que abordem soluções para as demandas da área cultural. Os proponentes pesquisariam com a própria comunidade cultural as suas necessidades e apresentariam soluções.

F. Edital de Arte Digital
Edital aberto para o desenvolvimento de produções artísticas no meio Digital (inclui experiências com net arte, web arte, vídeo-arte).

Também sugeri que todas as obras realizadas com recursos destes editais e prêmios fossem integradas aos acervos públicos da cidade e disponibilizadas em licenças Creative Commons na internet.

As minutas estão sendo analisadas por uma comissão de redação do conselho. É necessário detalhar estas idéias em formato de textos de editais. Irei publicando aqui as versões das minutas e os valores estimados assim que ficarem disponíveis.

Qual é a sua opinião? Publique Aqui.

Políticas Públicas para a Cultura Digital

Hoje a maior parte das políticas públicas para a Cultura Digital estão concentradas no Governo Federal (principalmente no Ministério da Cultura). É importante lembrar que estas políticas ainda se encontram no nível de ação de governo, e não de Estado.

Para que a Cultura Digital ganhe atenção das administrações Estaduais e Municipais é necessário uma grande articulação entre gestores, pesquisado e militantes da área.

Algumas ações estão sendo realizadas pelo Brasil de forma isolada, em função disto decidi abrir o grupo http://culturadigital.br/groups/politicas-digitais para agregar e compartilhar iniciativas como a inserção da Cultura Digital nos Conselhos de Cultura dos Estados e Municípios brasileiros, além de debater editais de fomento para o setor.

Participe!

 
Pular para a barra de ferramentas